Apanhadores de Flores

Os apanhadores de flores sempre-vivas, como se autodenominam, habitam a porção meridional da  Serra do Espinhaço, em Minas Gerais, localizadas em pelo menos 15 municípios nas proximidades do  município de Diamantina. As comunidades rurais apanhadoras de flores vivem em meio a áreas de  campos rupestres do Cerrado. A coleta das flores sempre-vivas constitui-se como uma tradição e fonte  de renda fundamental para a reprodução sociocultural das famílias. As territorialidades dessas  comunidades combinam diversos agroambientes contidos sobre a serra (campos a 1400 metros de  altitude destinados à coleta e solta de gado rústico) e no “pé-da-serra” (a 600 metros de altitude onde, geralmente, praticam agricultura tradicional com roças, quintais, criação de animais de pequeno  porte).

Os cultivos são destinados, sobremaneira, para o consumo familiar contendo ampla gama de  variedades crioulas/locais de feijão, arroz, mandioca, milho, cana-de açúcar e hortaliças nativas. O  sistema de cultivo pode valer-se do uso de rotação com pousio para a reposição natural da fertilidade  dos solos, contando com roças de toco com alta diversidade de espécies em meio ao Cerrado. 

As flores sempre-vivas são endêmicas e ocorrem nos campos rupestres do Cerrado e dizem respeito  ao termo popularizado para essas inflorescências que, depois de colhidas e secas, conservam sua  forma e coloração. Além das flores, são coletadas folhas, frutos secos, sementes, etc., vindas de  distintos locais/ambientes de coleta (campos, serras, serrinhas, boqueirões, etc.) a depender da época  do ano e da demanda. São produtos destinados ao mercado de plantas ornamentais secas. Até o  momento, já foram identificadas 350 espécies nativas manejadas voltadas ao mercado de plantas  ornamentais secas, das quais 90 espécies referem-se às chamadas flores e botões. Além das flores,  também manejam ampla gama de plantas nativas para uso medicinal e alimentar, além de madeiras,  fibras e óleos. Ou seja, uma mesma família faz uso/maneja centenas de espécies.

Geralmente, as moradias das famílias encontram-se agrupadas em comunidades próximas aos campos de coleta, comumente reconhecidos como áreas de uso comum das famílias em que o parentesco e  ancestralidade permeiam as relações de acesso e uso dos mesmos. É comum as famílias  permanecerem por longas jornadas sobre os campos na época da seca para a coleta de flores, manejo  do gado rústico e de animais de carga. Para tal, alojam-se nas “lapas” (grutas nas formações rochosas)  ou em “ranchos”. Comumente encontra-se o gado curraleiro – reconhecido como a primeira raça  bovina trazida ao Brasil pelos colonizadores.

Já na época das chuvas, as famílias praticam agricultura  tradicional próximo às casas para consumo familiar, sendo a abundância de água ressaltada pelos  moradores como importante riqueza e patrimônio herdado. Nos quintais, ao redor das moradias há  gêneros alimentícios variados e criação de pequenos animais que se constituem em uma rica cultura  alimentar. Normalmente, o trabalho é realizado pela família, sendo constante a realização das  atividades de forma artesanal. Ocorrem, também, festas religiosas próprias de cada localidade. Nesse  movimento, regido pelas estações do ano, tem-se a transumância.

Foram desenvolvidas estratégias de vida e saberes complexos, permeados por significações e  compreensões contextualizadas pelos lugares onde se encontram – saberes tradicionais transmitidos e reinventados ao longo de muitas gerações que vêm garantindo a vida das famílias ao longo do tempo com representações e práticas sociais de interação com a natureza, a qual é vista como criadora da vida e como um todo do qual fazem parte. Os usos desses agroambientes são organizados por códigos  próprios, desenvolvidos e reelaborados ao longo dos séculos de história, uso e interação com os  mesmos. A pluralidade de atividades confere maior flexibilidade perante os contextos internos e  externos à família.

Essas comunidades detêm um modo de vida singular em interação profunda com espécies nativas e  cultivadas conformando um sistema agrícola singular que conjugam diferentes ambientes, altitudes e saberes tradicionais associados a um rico patrimônio agrícola e cultural em uma paisagem manejada  de intensa beleza. Porém, vêm sofrendo ameaças territoriais pela implantação de monocultivos de  eucalipto, fazendas de pecuária, mineração e parques naturais sobrepostos às suas terras de uso  comum, o que gera a criminalização de seu modo de vida.

Em resposta a esses ataques, as comunidades apanhadoras de flores organizaram-se regionalmente na Comissão em Defesa dos Direitos das Comunidades Extrativistas – CODECEX e lutam pelo seu reconhecimento social, tendo se tornado o primeiro Sistema Importante do Patrimônio Agrícola Mundial reconhecido em 2020 pela FAO/ONU. Essas  comunidades mostram-se sempre-vivas na luta pelos seus direitos territoriais!

 

Por Fernanda Monteiro

Compartilhe nas suas redes!!

Apanhadores de Flores

Saiba mais

Caatingueiros

Saiba mais

Geraizeiros

Saiba mais

Quilombolas

Saiba mais

Tuxás

Saiba mais

Vacarianos

Saiba mais

Vazanteiros

Saiba mais

Veredeiros

Saiba mais

Xakriabás

Saiba mais

Fique por dentro das últimas notícias do Museu Vivo!

Cadastre-se e faça parte da nossa lista. Por lá, você irá receber em primeira mão as notícias do Museu Vivo, dos territórios e dos povos tradicionais de Minas Gerais.